Simperj

Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro
Desde 1947.

Atenção

USO INDEVIDO DA MARCA E NOME FANTASIA “SIMPERJ” POR OUTRA ENTIDADE SINDICAL

Prezados associados e demais interessados, o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro identificou que outra entidade sindical, representativa das microempresas e empresas de pequeno porte prestadoras de serviço, vem fazendo uso indevido da marca e nome fantasia SIMPERJ.
Apesar de nosso sindicato possuir o direito de uso exclusivo da marca “SIMPERJ” (conferido pelo INPI) e a anterioridade de registro desta mesma expressão como seu nome fantasia, referido sindicato dos prestadores de serviço vem utilizando o termo “SIMPERJ” em suas operações, o que pode induzir em erro empresas e particulares.
Diante deste quadro o Sindicato da Indústria de Material Plástico do Estado do Rio de Janeiro comunica que todas as ações possíveis estão sendo tomadas a fim de sanar o problema. Eventuais dúvidas deverão ser enviadas para o endereço eletrônico simperj@simperj.org.br ou esclarecidas pelos telefones 2220-9526 / 98772-7936.

Enquete

Aguarde até a próxima enquete.


Sua opinião nos ajudará a desenvolver o setor de plásticos, tornando-o mais dinâmico e atendendo às expectativas dos transformadores e do público em geral.

Opinião

A CULPA É DO EMPRESARIO – OU O SISTEMA QUE ESTÁ ERRADO.

A CULPA É DO EMPRESARIO – OU O SISTEMA QUE ESTÁ ERRADO.

Estamos vendo no Brasil a maior inversão de valores desde sua descoberta, empresário de médio e pequeno porte não tem o seu devido valor e tão pouco apoio por parte das instituições e do Governo, que só olha para as Grandes e Multinacionais.

Essas duas décadas foram de puro retrocesso, seja por causa da carga tributaria , pelo custo social, pela energia e dificuldade de financiamento a custos que nos tornem competitivos, e ainda nos exigem investimento em melhoria como a NR 12 , que tem custos e se não temos retorno do capital investido como será implementada.

Como exigir que sejamos competitivos se as margem estão sendo reduzidas e não temos como investir em produtividade e capacidade técnica das nossas unidades.

No setor de transformação e embalagens perdemos para países que são menores que o Espirito Santo, e que tem uma politica empresarial voltada para a pequena e media empresa, pois essa e a que empregada 78% da massa de mão de obra disponível do setor industrial.

Como fazer com a energia aumentando 103% enquanto o governo anuncia 48%?  Como fazer com o plano de saúde que temos de dar aos nossos funcionários, se pagamos ao governo pela saúde deles?  Como fazer se a legislação trabalhistas está velha e deteriorada e o empregado precisa ser demitido para sacar seu FGTS?  Como fazer com os juros mais caros do mundo?  Como fazer com os impostos e encargos sociais, beirando a 50% do nosso custo?  Como fazer se temos um custo de importação beirando a 50% para buscarmos outras Resinas mais competitivas e temos de  conviver com um monopólio na oferta de Resina?  Como fazer com a capacitação do nível técnico da empresa se não temos escolas técnicas atualizadas com equipamentos melhores que os nossos? Como fazer se a nossa logística é cara e sobre caminhões com estradas a beira de colapso e não temos como escoar e receber por outra opção?

A ÚNICA OPÇÃO É O SUCATEAMENTO DA INDÚSTRIA – QUEM ESTA ERRADO SOMOS NÓS OU O SISTEMA.

Roberto Ávila

Diretor Geral

Indústria de Plástico e Vidro Braço Ltda

Opiniões anteriores