Como brechós podem ajudar a criar o hábito do consumo consciente?

Você já ouviu falar de consumo consciente? Segundo definição do Ministério do Meio Ambiente, consumo consciente é “um consumo com consciência de seu impacto e voltado à sustentabilidade”. Atualmente, consumimos 30% a mais de recursos naturais do que a capacidade de renovação da Terra, ou seja, os 7,6 bilhões habitantes do planeta estão consumindo muito mais recursos como, por exemplo, água, solo e oxigênio, do que a capacidade que a natureza tem de repor.

E o consumo desenfreado pode impactar essa situação.  Aposto que você lembra de algumas blusas ou calçados que foram usados pouquíssimas vezes e que estão esquecidos em algum canto do guarda-roupa! Isso precisa mudar e o consumo consciente é a melhor resposta para isso.

Ainda de acordo com o Ministério, para conseguir ter um consumo consciente é preciso começar por pequenas mudanças diárias. “O consumo consciente é uma questão de hábito: pequenas mudanças em nosso dia a dia têm grande impacto no futuro. Assim, o consumo consciente é uma contribuição voluntária, cotidiana e solidária para garantir a sustentabilidade da vida no planeta”.

É preciso que mudemos nossos hábitos para que esse consumo desenfreado diminua e você possa começar a fazer isso apenas com as suas roupas. Que tal conhecer uma ótima alternativa para ter um consumo consciente e ainda assim estar dentro da moda?

A solução para um consumo consciente: brechós!

Por muito tempo os brechós foram vistos como algo negativo, visto que eles vendem roupa que já foram utilizadas por outras pessoas. Porém, nos últimos anos, isso caiu por terra. Com a moda do vintage, essas lojinhas tornaram-se um riquíssimo guarda-roupa de peças que voltaram à moda e por um preço acessível.

Além do baixo valor, a maioria dos brechós prezam pela qualidade das roupas, ou seja, as peças que chegam ali são limpas e consertadas antes de ir para as araras de venda. Quer dizer, eles são uma ótima opção para manter-se na moda e reutilizar tecidos.

Outro ponto interessante é que existem diversos tipos de brechós e que alguns deles aceitam permuta. Assim você consegue se livrar de uma peça que está encostado na gaveta e adquirir outra que irá agregar ao seu estilo. Além disso, existem até lojinhas assim que compram peças de seus clientes.

Ainda por cima, é possível ganhar um dinheirinho e fazer o descarte correto das suas roupas. Um levantamento feito pelo Sebrae/RJ mostrou que em cinco anos a quantidade de brechós no Brasil aumentou em 210%. Isso indica que essa ideia é algo que dá frutos no nosso país. Já pensou em ter o seu próprio brechó e começar a empreender? Dessa forma, você pode lucrar e ainda ajudar diversas pessoas a darem o descarte correto a suas peças de roupas!

3 outras alternativas para o consumo consciente de roupas

Caso você não conheça ou não tenha nenhum brechó na sua região ou cidade, existem muitas alternativas para ter um consumo consciente, porém vamos relembrar três outras opções:

1 – Conserto

Muitas vezes encostamos uma peça porque ela rasgou, perdeu algum botão ou não serve mais. Já parou para pensar que um conserto pode ser a solução? Diversas roupas voltam ao uso diário quando são consertadas ou até mesmo reformadas. Dependendo do tipo de conserto ou mudança, o preço é muito mais acessível do que conseguir uma peça nova. Além disso, você coloca novamente a peça em uso e diminui seu consumo.

Por isso, que tal juntar tecidos que estão no cantinho da sua gaveta e ver o que precisa de um jeitinho para voltar ao seu corpo?

2 – Bazar

Essa também é uma forma de empreender caso você ache difícil começar um negócio como um brechó. É só juntar as peças que você, sua família e seus amigos não usam mais e marcar um dia para fazer um bazar, que pode ser até mesmo na garagem da sua casa ou de algum conhecido.

Assim, suas roupas serão reutilizadas por outras pessoas e ainda é possível conseguir algum tipo de lucro (que você pode gastar em algum brechó com uma peça nova, que tal?).

3 – Feiras de troca

Aqui você pode fazer algo bem simples! É só chamar seus amigos, parentes e conhecidos e pedir que eles juntem roupas que não usam mais. Depois, é só marcar um dia para que vocês troquem peças que estão encostadas por outras que você ache interessante.

Algo muito importante que também deve ser considerado para ter o hábito do consumo consciente, é a sua necessidade. Toda vez que pensar em comprar uma roupa nova (ou qualquer coisa) questione-se é realmente necessário, se você não tem outra peça que pode servir para a ocasião ou se você não conhece alguém que tenha. Assim, comprar sempre será a sua última opção e só será feito em momentos em que realmente não há outra saída.

Curiosidade: qual é a forma correta de descartar qualquer tipo de tecido?

Segundo a Lei de Resíduos Sólidos, criada em 2010, tecidos não devem ser descartados no lixo comum. Você sabia disso? Pois é, poucas pessoas têm acesso a essa informação. Por conta disso, milhares de quilos de peças de roupas são jogadas foras e encaminhadas de forma errônea para aterros sanitários.

Assim como diversos tipos de lixos, os tecidos se decompõem com o passar do tempo e, com isso, liberam uma substância chamada “gás de aterro”, que é composta por uma mistura tóxica que contribui com o efeito estufa. Por isso, a indicação é: reutilize todo e qualquer tipo de tecido.

Então, dar um segundo, terceiro e quarto uso para as peças de roupas é o melhor que você pode fazer, seja doando para parentes, instituições de caridades ou brechós.

Assim, você ajuda o meio ambiente e outras pessoas a manter o hábito do consumo consciente.

Associe-se