7 ideias incríveis de reciclagem com garrafas PET

As garrafas PET são usadas em muitos projetos de reciclagem e reutilização. Com o descarte correto – separadas do restante do lixo e depositadas em locais adequados – elas podem ser transformadas em diversos outros produtos e embalagens, ao invés de serem acumuladas na natureza.

Além da reciclagem industrial, que efetivamente transforma o plástico das garrafas em outros produtos de plástico, esse material pode ser também reutilizado em projetos impactantes, com potencial para mudar as vidas de comunidades inteiras.

 

Separamos 7 iniciativas que mostram como a criatividade e vontade de mudar o mundo podem transformar as garrafas PET em matéria prima para projetos incríveis.

 

Lâmpadas de Moser

 

Alfredo Moser é um mecânico de Uberaba, em Minas Gerais, que criou em 2002 uma lâmpada usando apenas garrafa pet, água e água sanitária. A lâmpada de garrafa pet instalada no telhado, com uma parte para fora e outra para dentro da casa, capta a luz solar e ilumina o ambiente por meio da refração, com a mesma eficiência de uma lâmpada de 60W. Veja aqui como a lâmpada funciona.

 

A invenção foi exportada para vários outros países, após ser divulgada pelo Youtube. Em 2012 foi criada a ONG internacional Litro de Luz, que atua nas Filipinas e em vários outros países pelo mundo, incluindo o Brasil. Além da lâmpada instalada no teto, foram desenvolvidas outras soluções, incluindo uma lâmpada noturna, todas feitas com garrafas PET.

 

Vaso Auto Irrigável anti-mosquito

 

Na internet há inúmeros tutoriais mostrando como se fazer um vaso de plantas auto irrigável com garrafas PET. Não só a ideia serve para economizar recursos e reaproveitar garrafas que iriam para o lixo, nem sempre com um destino apropriado, como também ajuda a cuidar de um grande problema de saúde pública: a proliferação de mosquitos.

Vimos alguns ciclos de doenças como a dengue, zika e chikungunya, causadas pelo mosquito Aedes Aegypti. É bem sabido que essa espécie usa água parada para depositar ovos e criar larvas, então os vasos de planta podem acabar se tornando parte do problema.

 

Esse tipo de vaso mantém a água necessária para as plantas fechada dentro da garrafa, sem que o mosquito tenha acesso a ela. Assim as plantas ficam irrigadas por mais tempo e não se tornam potenciais criadouros para as larvas.

 

Vídeo: https://www.youtube.com/watch?v=iZVYm-ghVTA&t=6s

 

 

Da garrafa ao telhado

 

A partir da ideia de usar garrafas pet como material para fazer telhas surgiu uma marca de água mineral com uma embalagem desenvolvida especialmente para o reuso.

Foram muitas tentativas por parte do canadense Richard Thomson, que mora na Costa Rica, até descobrir a forma exata que a garrafa deveria ter para que, ao ser dobrada, ficasse no formato ideal para a construção de telhados.

As garrafas são comercializadas em várias lojas e mercados na Costa Rica. Após o consumo da água, as garrafas são devolvidas para a fabricante, que desenvolveu também uma máquina para ajudar a dobrá-las da maneira correta. Elas são então preenchidas com um material leve e termo isolante, montadas em uma estrutura para formar um telhado e usadas em um projeto social habitacional no país.

 

 

Casas de Botellas

 

“Botellas” em espanhol significa garrafas. A advogada colombiana Ingrid Vaca Diez desenvolveu uma metodologia que permite construir casas usando como material básico garrafas pet, barro e um cimento ecológico.

A ideia surgiu após seu companheiro, incomodado com a quantidade de material guardado para projetos de artesanato, ter dito que poderia ser construída uma casa inteira com todas aquelas garrafas plásticas que ela havia acumulado.

Fazendo testes com materiais diferentes, Ingrid conseguiu criar uma receita para levantar paredes resistentes usando materiais baratos e aproveitando as garrafas PET na estrutura. Uma casa de 38 metros quadrados pode ser construída com 8.000 garrafas e a ajuda de 10 voluntários. As casas foram construídas como parte de um projeto social na cidade de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia. A ideia de Ingrid é levar a metodologia para outros lugares, possibilitando a construção ecológica de casas para a população de baixa renda também em outros países.

 

 

 

Essa escola já foi uma garrafa plástica

 

A Hug It Forward é uma organização sem fins lucrativos criada na Guatemala que tem o objetivo de gerar conhecimento e oportunidades em comunidades carentes ensinando a população a construir as “bottle schools”, ou escolas-garrafa.

São escolas construídas com tijolos ecológicos, feitos com garrafas pet preenchidas com lixo inorgânico.

Além de projetos envolvendo voluntários para efetivamente construir as escolas, a Hug It Forward também disponibiliza um manual gratuito, que ensina o passo a passo do como e por que construir escolas com garrafas. Parte do objetivo da organização é distribuir todo o conhecimento gerado e ajudar comunidades em qualquer lugar do mundo.

 

Surfando na garrafa PET

 

A ong Eco Garopaba, de Santa Catarina, vem desenvolvendo desde 2012 um projeto educacional que resulta em pranchas de surf e stand-up paddle feitas com garrafas pet.

Os diretores da ONG visitam escolas e dão palestras sobre reciclagem, reuso e reaproveitamento, incluindo oficinas que ensinam a construir pranchas usando garrafas PET e mutirões para limpar as praias.

 

A ONG também comercializa as pranchas ecológicas, que custam muito menos que as pranchas tradicionais e ainda rendem muita diversão para os banhistas ecológicos.

Até mesmo campeonatos de “PET SURF” foram organizados em Garopaba, ajudando a conscientizar cada vez mais pessoas para a importância da reutilização e do consumo consciente de materiais plásticos.

 

 

Joining Bottles

 

O projeto “Joining Bottles” foi criado pela designer Micaella Pedros, com o objetivo de ajudar a transformar materiais existentes em qualquer comunidade em matéria prima para construção e criação.

Usando pedaços de madeira descartados a designer propõe a construção de móveis, aproveitando as garrafas plásticas para juntar as peças de madeira.

 

O plástico das garrafas, fixado à madeira por meio de aquecimento, é resistente o bastante para suportar o peso necessário para as mesas, bancos e estantes criados.

Embora seja apresentado quase como um projeto artístico, a técnica tem potencial para auxiliar no empoderamento de comunidades pouco privilegiadas, que podem usar materiais que seriam descartados como lixo para produzir novos objetos.

 

Video: https://vimeo.com/172330337

Associe-se